segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Heinz Stücke – Ele quis conhecer o mundo de bicicleta! E conseguiu! (Segunda parte)

Ele é o cicloturista mais viajado do mundo. Com a sua bicicleta, ele já percorreu todos os países, desde que saiu de casa em 1962! 
Acompanhe a segunda parte do breve resumo dessa incrível aventura!


A Volta ao Mundo em Bicicleta

(Parte 2)

Outro acidente foi por causa de um funcionário intolerante de uma alfândega, na fronteira com a Guatemala. Depois dele descobrir que eu havia estado na Rússia, ele imaginou que eu devia ser um comunista. Disse que, devido à agitação política em seu país, a última coisa que precisavam era de outro comunista. Eu protestei tentando raciocinar com ele, mas sem sucesso. 
Então, deixei a bicicleta na fronteira para voltar a San Salvador para fazer um protesto ao Cônsul da Guatemala.
Fui no carro de um amigo que estava andando comigo, e antes que eu pudesse chegar aonde queria para apresentar minha queixa, o carro bateu contra uma árvore!
Fiquei inconsciente por dois dias. Levei semanas para me recuperar.
Ironicamente, quando tentei entrar na Guatemala pela segunda vez, por outra fronteira, eles foram muito simpáticos. Insistiram para eu passar a noite, me alimentado até que eu não podia comer mais, e ainda coletaram algum dinheiro para mim.




Outro acidente ocorreu numa estrada do Alasca. Eu havia feito um trabalho duro para atravessar muitos quilômetros próximo ao Rio Liard, quando as chuvas dificultaram a continuação da jornada. Esperei dois dias e quando recomecei, vi dois jovens de Anchorage que eu havia conhecido semanas antes. Eles estavam em seu caminho de volta para o Alasca.

"Por que você não vem conosco?" eles pediram. "No Alasca a estrada é asfaltada". Concordei. Em qualquer caso, eu tinha que voltar a White Horse, Yukon para retornar ao sul. Colocamos a bicicleta em cima de seu carro esportivo GTO. Às 10 da noite Richard assumiu o volante.
Apenas poucos kms depois, ele entrou em uma curva muito rápido e perdeu o controle. O carro virou abaixo em um barranco íngreme uns 20 a 30 metros e caiu em um rio de águas geladas.
Nós conseguimos sair rápido para fora da água e eu podia ouvir Richard gritando: "Deus, caramba? Eu fiz isso! Eu fiz isso! Minha pintura de 1200 dólares!” (Seu carro tinha um design bonito pintado nele).

Eu voltei para as águas geladas do rio para pegar meus pertences. A bicicleta e todos os equipamentos estavam a uns 50 metros à frente. Richard continuava a gritar: "Saia da água antes de congelar até a morte!"

A temperatura deve ter sido muito abaixo do ponto de congelamento naquela noite, tudo porque tornei-me um “bloco de gelo” segundos depois de estar fora da água.

Eu fiz o que pude para endireitar a minha bicicleta amassada o dia inteiro e depois, pedalei mais quatro dias para White Horse. Já havia tido o suficiente das estradas do Alasca. Eu não poderia conseguir peças de reposição para a minha máquina danificada e a neve do inverno atrapalhava.
Bem, esse foi o fim desse passeio.



No Japão, muitas vezes devo ter chegado perto de um acidente grave. Particularmente assustadores, eram os muitos túneis longos. Eles eram estreitos e cheios de gases de escape e eu ficava pressionado contra as paredes quando os caminhões passavam trovejando por mim. Nenhum dos motoristas pareciam me notar. Eu tinha tanto medo, quanto raiva. Eu realmente odiava aqueles túneis.

Perto de Gonbad no Irã, outro grave acidente quase me impediu de continuar a minha jornada. Mais uma vez eu estava em um carro, desta vez com um jovem iraniano. Eu estava no caminho de volta para recolher a minha “moto” que eu tinha deixado em Mashad.
Tivemos uma colisão com outro carro. Em uma curva cega, um carro aproximava-se, conduzido por um policial. De repente, desviou-se para a nossa pista. O acidente foi terrível.

“É isso aí, esse é o fim da minha jornada", pensei.



Recebi ferimentos na cabeça, costelas quebradas e cortes no braço. Após 10 dias no hospital e 3 semanas me recuperando, eu, cautelosamente,  comecei andar de bicicleta, mais uma vez.

Na Índia, durante a minha primeira visita ao país, eu pedalava à noite para evitar o calor do dia. Às vezes eu passei por trechos de floresta onde imaginei que estava sendo seguido por tigres. As pessoas haviam falado sobre esses animais. Cada pequeno ruído na floresta me fazia pedalar mais rápido.

Em uma noite, eu tive um choque tremendo. Quando pedalava em velocidade total, colidi em um búfalo. Ele estava em pé, parado no meio da estrada.

Mas, geralmente, aprendi a não ter medo dos animais selvagens. Eles deixam você sozinho, se você deixa-los sozinhos. De qualquer maneira, isso vale para os maiores. 
Os únicos que realmente me incomodam são os menores; os mosquitos, moscas, pulgas, formigas, abelhas, etc.



As pessoas muitas vezes perguntam onde eu passo a noite quando estou na estrada. Dificilmente encontra-se um lugar que você poderia falar, onde eu não dormi. Espero fazer uma lista algum dia de todos os diferentes lugares que fiquei.

Suponho que a maioria das noites tenham sido mais ou menos igualmente divididas entre :

(1) dormir na minha barraca ou rede;
(2) nas casas de pessoas que me convidaram;
(3) em hotéis baratos ou albergues da juventude ( na Europa, Japão e Ásia).

Então, houve centenas de lugares inusitados para passar a noite, tais como igrejas, mesquitas, ruínas, casas vazias, em pontes, sob pontes, em bancos, em praias, uma vez em uma mesa de bilhar, em caminhões, nos carros, nos trens, nos ônibus ou em abrigos de ônibus, nos escritórios, nas escolas, nos postos de bombeiros, com o Exército da Salvação, em iates, em canoas, em casas de recreio, nas moradias, nas montanhas, nas estações policiais, em barracos, garagens, estábulos, grutas, prisões, acampamentos militares, e até mesmo uma vez, em uma caixa de telefone!

Eu também dormi em muitas posições diferentes do corpo. A mais difícil delas foi "quando andava de bicicleta"!

Geralmente, eu tentava encontrar algum tipo de abrigo. Às vezes eu deliberadamente dormi em lugares inusitados, a fim de manter um determinado lugar mais claro na minha memória. 

Lembro-me de dormir no pé da estátua do Cristo Redentor no Corcovado, no Rio de Janeiro, bem acima das luzes da cidade, e acordar com o nascer do sol espetacular!



Eu dormi em cima do Templo do Jaguar em Tikal, na antiga cidade dos maias nas selvas da Guatemala e sobre as ruínas de Machu Picchu, a cidade perdida dos Incas.

Em Ladakh (Índia) eu armei minha tenda em 5.200 m, por 48 horas durante uma tempestade de neve. Em Tang Lang, na mesma província, passei uma noite em 5.360 m, depois de ter empurrado a minha bicicleta carregada por 3 dias.

Muitas noites foram gastas na loja de bicicleta do Sr. Lee em Hong Kong, cercado por centenas de peças caras, na reconstrução de minha bicicleta.


Eu tinha um monte de excitação em fazer estas coisas, embora às vezes fosse inesperado. Lembro-me de uma noite na Argélia em 1963, quando pedalava no escuro para escapar da hostilidade do povo para com os franceses. Eu não era francês, mas isso não parecia fazer qualquer diferença.
Andava em uma zona de montanha. Havia um toque de recolher à noite, devido a uma revolução. Eu não sabia nada disso. Quando me dirigia para o topo de uma colina íngreme à meia-noite, uma arma foi disparada.



Eu não sabia se era para mim ou não. Não fui investigar. Em pânico, desci morro abaixo. Embora estivesse frio nas montanhas, eu comecei suar.

Às 3 da manhã entrei em uma pequena aldeia e depois em uma mesquita branca. A entrada estava aberta e o chão coberto de tapetes. Sem pensar muito sobre isso, estendi meu saco de dormir no chão e barriquei a porta. Algum ruído exterior me acordou cedo.

Através de um pequeno buraco na porta, pude ver muitas pessoas no lado de fora. 

Um velho homem batia a porta.
Eu não sabia o que fazer e estava um pouco assustado.

Rapidamente amarrei o saco de dormir na bicicleta, montei, abri a porta de repente, e disparei para fora. Eles não esperavam, peguei-los totalmente de surpresa e estava de volta na estrada, antes que alguém pudesse se mover.




No Japão, por outro lado, eu podia dormir sem medo nos degraus ou dentro de santuários e sequer ser descoberto. Algumas vezes fui levado para dentro da casa de caseiros, e eles me davam comida, forneciam uma cama, e tentavam ficar meus amigos.

Outra vez, enquanto viajava pelo deserto entre o Cairo e Suez, tarde da noite, resolvi dormir na areia debaixo de uma ponte. Um vento suave soprava do deserto. Às seis da manhã, um caminhão cruzou a ponte e fui acordado pelo barulho estrondoso e vibrações, então comecei a notar um cheiro estranho. Sentei-me, e em seguida levantei-me, como se tivesse sido picado por um escorpião. 
Cerca de três metros de distância, havia um corpo de um ser humano seminu em decomposição! Considerando que eu só tinha dormido por um tempo curto, me levantei rapidamente.



Pouco tempo depois de entrar em Suez, eu verifiquei um albergue da juventude a poucos kms fora da cidade. Perguntei como chegar de ônibus e fui direcionado para o ponto de ônibus. 

Depois de alguns minutos o ônibus chegou. Imediatamente fiquei conversando com um egípcio amigável.
O ônibus estava lotado e tivemos que ficar de pé. Mas o ônibus não se moveu! Todo mundo ficou curioso. 

Um grupo de soldados bloquearam a rua e, em seguida, começaram a entrar no ônibus. Eu ouvi a palavra "Inglesi" e olhei em volta para ver com quem eles estavam falando e, para minha grande surpresa,  eles estavam vindo em minha direção!

Eles torceram meus braços brutalmente e me empurraram para fora do ônibus. Na rua bateram-me até eu ficar inconsciente. 

Cheguei a ouvir os passageiros do ônibus discutindo em voz alta com os soldados. O homem que eu estava conversando falava com o motorista do ônibus e, em seguida, levou-me no autocarro a um hospital onde eu fui enfaixado.
O meu novo amigo que me ajudou, ficou muito irritado com o incidente e insistiu que ia à polícia. 


O Chefe de Polícia de Suez nos conduziu à cena do incidente. No percurso, vi armas antiaéreas em um campo próximo. Os soldados alegaram que eu estava fotografando-os e que só tinham defendido seu país. No entanto, eu nem sequer estava com a minha câmera no momento.

Com relação ao incidente anterior, a polícia disse que tudo tinha sido um erro terrível e que os homens seriam punidos. Enfaixado e com raiva, eu deixei a cidade no mesmo dia.



Quando você está visitando um país onde existe turbulência política, pode acontecer dificuldades de ordem geral, com a polícia e autoridades locais, ou se você é azarado o suficiente para ser apanhado no meio de uma revolução local, você pode ter muita dificuldade e pode até mesmo ser extremamente perigoso. 

Em tais situações os policiais e soldados estão nervosos, irritados e rápidos no gatilho. Muitas vezes, seus sentimentos se voltaram contra mim sem nenhum motivo aparente, simplesmente, maus sentimentos para com todos os países capitalistas. 
 Talvez eu tenha sido visto como um símbolo desses países. 
Eu vivi algumas dessas situações violentas.

Para citar alguns: golpe militar no Equador em 1966. Os estudantes que se rebelaram contra os militares no México, em 1968. Houve momentos de alta tensão e conflito, como o conflito franco-argelino do início dos anos sessenta ou o conflito árabe-israelense do mesmo período até os dias de hoje. Etíopes lutando com somalis nas suas zonas fronteiriças, em 1963.

Certa vez, quando um tiroteio irrompeu entre a polícia secreta e guerrilheiros na cidade de Guatemala City, em 1968, eu passava por perto. Nenhum dos policiais ou guerrilheiros foram mortos, mas, cinco civis.




Mas, no geral, eu tinha tantos bons encontros com a polícia e militares, como eu tive maus. Muitas vezes fiquei em delegacias de polícia e muitas vezes eu tive proteção. Em conhecer militares, eu preferia os oficiais de postos mais altos. O soldado comum que encontrei, muitas vezes eram ignorantes. Por causa de seus uniformes e armas, eles poderiam ser arrogantes e perigosos.
Muitas vezes eles mostravam fortes evidências de propaganda "odeio" contra qualquer um do Leste ou Oeste. O humor de um homem faria para qualquer pessoa, um encontro amistoso ou um odioso.

Isto não é uma generalização. Existem algumas diferenças entre os países, especialmente entre os mais ricos e os subdesenvolvidos. Em um país rico, raramente encontra-se um militar. A maioria dos contatos com policiais, envolve ser dito o que você não deve fazer: "Você não pode atravessar esta ponte". "Você não pode dormir lá". "Você não pode seguir essa caminhada neste Estado". "Você não pode vender seus livretos". "Você não pode circular por esta estrada".

Isso me lembra de um incidente engraçado em Texas. Parei tarde da noite em uma parada de caminhões de 24 horas. Perguntei ao proprietário se eu poderia passar o resto da noite escrevendo e lendo.

Por volta das 4 da manhã eu tinha acabado de escrever o meu diário e comecei a passar o tempo vendo revistas que eu tinha pego antes. Estava acostumado a arrancar as páginas que eu já tinha lido, a fim de economizar peso. Além disso, mesmo antes de começar a ler, eu iria arrancar todas as páginas de publicidade que eu não estava interessado. Pois tenho que levar muito equipamento.




Então, lá estava eu, ​​sentado, quatro horas da manhã, rasgando páginas de revistas. A garçonete tinha um olhar estranho em seu rosto e ela olhava para mim, às vezes, de uma forma preocupada. Às 5 da manhã uma viatura apareceu fora. 
O oficial me ordenou sair do prédio e estudou cuidadosamente os meus papéis. Ele olhou tudo, mas aparentemente não encontrou nada errado. 
Finalmente, ele perguntou em um tom de voz curioso: "Diga-me, por que você rasga as páginas dessas revistas?" Quando eu disse a ele, ele sorriu e disse: " Bem-vindo ao Snyder."

Eu não recomendo levar armas ocultas para a sua auto-defesa. Na maioria dos países, elas são ilegais, então você teria um monte de problemas para contrabandear para dentro e para fora. 
Claro que, em um lugar estranho e selvagem, uma arma lhe dá uma sensação de segurança. Mas também pode levar a situações perigosas.

Um desses momentos veio-me na África, na Zâmbia (quando era a Rodésia do Norte). Eu possuía uma combinação rifle / pistola. 

Totalmente exausto, sujo e com sede, havia chegado a uma vila no meio do dia, quando era uns 40 graus.
Vi uma placa dizendo: "Beer Castelo Cold" (uma marca Sul-Africana de cerveja). 
Rapidamente tomei três ou quatro dessas cervejas e perguntei por alguns alimentos, mas eles só tinham alguns ovos.
Momentos depois, eu tinha terminado a minha sexta garrafa de cerveja e tinha comido uma dúzia de ovos. Com a sétima garrafa na minha frente e uma camisa empapada de suor, eu relaxei um pouco mais.

No bolso da minha camisa eu carregava a pistola. O peso da arma estava puxando minha camisa molhada para baixo em uma maneira incômoda, então eu coloquei a arma sobre a mesa. Como as pessoas estavam assistindo, eu pensei que não haveria problema. Coloquei as balas fora e puxei o gatilho para liberar o galo, mas esqueci que havia uma outra bala no tambor. A arma disparou e a bala entrou na parede!




Tive muita sorte do fato de ninguém ter ficado ferido. Eu não estava completamente sóbrio. As pessoas levantaram-se todas nesse momento, e eu pensei que era melhor ir andando.

Então, depois de pagar a conta e adicionar uma gorjeta generosa, cambaleei para fora, no sol brilhante.

Atrás da vila, havia uma colina íngreme. 

No caminho, adormeci.
Quando acordei, havia algo em meu rosto. Um grande cão estava de pé em cima de mim e lambendo meu rosto. Olhei para cima sem saber o que estava acontecendo. Atrás do cão, uma mulher branca se aproximava. 

Ouvi-a dizendo: "Há algo de errado com você?" 
"Oh não", eu disse, e ela continuou até a colina.

Ao todo, eu só usei a arma algumas vezes. Às vezes para afugentar cães à distância e uma vez eu atirei para o ar quando dois bêbados ficaram desagradáveis. Não me lembro de disparar a arma de verdade em auto-defesa. No Brasil, foi finalmente tirada de mim.



Eu prefiro viajar sozinho porque é mais importante para mim, ser capaz de definir e manter meu próprio ritmo. Além disso, dessa forma eu não tenho ninguém além de mim mesmo para culpar por todas as decisões erradas. 

Acredito que um viajante solitário aprende mais porque ele tem que fazer mais contatos a fim de não ficar sozinho e porque ele recebe mais convites. 

Sozinho eu teria uma melhor chance de conseguir trabalho, ou, por exemplo, passagem, nos navios. Agora eu sei que estava certo em ficar sozinho, apesar que no começo, eu teria levado um companheiro, se eu tivesse encontrado algum.

Tantas vezes e por curtos períodos, eu juntei-me com outros ciclistas ou viajantes, quando eles estavam indo do meu jeito.

Fiz isso com Horst Lechner na Índia em 1961, com Fumiko Mitsue no Japão em 1971 e novamente na Índia em 1976, com Eaves Martin, um inglês que fazia um "passeio" mundial de bicicleta. 

Mas ele teve que interromper sua viagem em Calcutá, por causa da hepatite. 
Também pedalei com Daniel Masson, no Laos, em 1989. Para fazer trekking no Nepal, me juntei com o canadense Walter Ratte e uma viagem na Amazônia, foi com um sueco, Bo Carlo.

Eu não me sinto solitário, porque tenho uma imaginação vívida, sonho com uma variedade de coisas e faço planos para o futuro. 

Um país existe na minha mente antes mesmo de eu chegar lá e vive na minha imaginação muito depois de eu deixá-lo.



Também possuo um pequeno rádio que escuto e ele me ajuda a conhecer línguas. Desta forma, aprendi tanto espanhol como inglês, que agora falo fluentemente. 
Como nunca estudei qualquer idioma na escola, não tenho muito conhecimento de gramática. Só sei que soa certo ou errado. 
A vantagem em aprender uma língua dessa maneira é que você aprende a falar sem muito trabalho ou esforço. 
Mas você não aprende a escrevê-la. 
Inglês é especialmente difícil de escrever.

Em países onde outras línguas são faladas (dependendo da quantidade de tempo que eu passo lá e a necessidade de ter que usar a língua local) eu pego palavras suficientes para me dar bem ou uso linguagem de sinais. 

Mas, logo após ter deixado o local, esse pouco conhecimento é esquecido.



No Japão, eu tentei aprender apenas a língua oficial. Mas, devido à ânsia dos japoneses em praticar inglês e também porque nunca tentei decifrar a linguagem escrita, não fiz um grande progresso.

É impossível neste curto relatório, falar sobre todos os meus pensamentos sobre os diferentes países que já vi, ou até mesmo de mencionar cada um. Mas vou tentar pelo menos, dar-lhe uma impressão de minhas viagens.

Comecei a tomar a rota do Oriente, em parte, porque os países da Ásia mexeram com minha imaginação mais do que em outros lugares; Pérsia, Índia, China, Japão. Que nomes interessantes, especialmente para um jovem de vinte anos, cheio de ambição, entusiasmo e desejo de viajar.

Além disso, indo assim, me pouparia o custo inicial de cruzar um oceano. 

E, por último, mas não menos importante, era relativamente fácil dessa forma, obter as autorizações necessárias e vistos.






As mais visitadas do mês