quinta-feira, 24 de setembro de 2015

Duas pessoas que mesmo em situação díficil, não abandonaram seus animais de estimação


Vamos conhecer uma inglesa que passou alguns meses morando no carro com seus dois cachorros, depois de recusar uma moradia onde não seria permitido levar animais e um jovem migrante sírio que andou aproximadamente 500 quilômetros a pé, levando sua pequena cadelinha!

Hillary e os cães Robbie e Cleo




Hillary Barrows, de 57 anos, é uma professora desempregada que estava a 8 anos viajando de carro pela Europa com os seus dois cachorros Robbie e Cleo. 
Durante a aventura ela conseguia dinheiro trabalhando em colégios e outros lugares.
Quando retornou a Inglaterra, na cidade Kent, onde residia, não conseguiu emprego e ficou sem condições de pagar aluguel.
Depois de se inscrever num programa social do governo, lhe ofereceram uma moradia, mas, não seria permitido ela levar os cães.
Hillary não teve dúvidas e não aceitou a casa.
Como não tem familiares na Inglaterra, ela foi morar dentro do seu carro, juntamente com seus amiguinhos.
"Eu não iria a lugar nenhum sem meus cachorros", contou ela em entrevista ao jornal Mirror.



Ela se fixou num estacionamento de um supermercado, na cidade vizinha Canterbury e ficou recebendo contribuições de funcionários e do Exército da Salvação.
Ela disse: "Eu decidi viver aqui porque fica perto de um banheiro público e porque o Exército da Salvação tem me ajudado a alimentar os cachorros... Eu só posso pagar uma refeição por dia, só para meus cães não ficarem sem comida".
"Eu tenho enviado meu currículo, mas quem é que vai me dar um trabalho quando vivo em um carro em um parque de estacionamento?", questiona Hillary.
"Tem um McDonald's perto daqui onde carrego meu celular e meu laptop. Assim, posso continuar procurando emprego".
Depois, Hillary lançou uma campanha no GoFundMe, site de financiamento, para arrecadar dinheiro e conseguir um local para viver. "Eu só quero voltar a trabalhar, ter uma casa e um lugar seguro para os meus cães".
"Eu prometi amar e proteger meus bebês até o dia que eles morrerem. Eles precisam de mim e eu deles. Espero conseguir dinheiro suficiente para conseguir pagar aluguel"!







Em 24 dias conseguiu arrecadar pouco mais de 4 mil libras (aproximadamente R$ 19 mil).
A história do amor de Hillary pelos seus cães virou manchete em jornais na Inglaterra e uma treinadora de cães ficou comovida com o gesto de solidariedade dela e a ofereceu um rancho em sua fazenda para ela ficar com seus cães até se estabelecer. Ela permaneceu no estacionamento aproximadamente 4 meses.

Aslan e a cadelinha Rose



A Síria está enfrentando um conflito, desde 2011, que está forçando milhões de pessoas a fugirem para outros países.
O movimento de emigração em massa já está sendo considerado pela ONU, como o maior, desde a Segunda Guerra Mundial. São mais de 7 milhões de sírios que tiveram que sair de suas casas devido ao conflito que assola o país. 
Um desses migrantes é o jovem Aslan Al Hakim, de 17 anos. Ele saiu da capital Damasco, rumo à ilha de Lesbos, na Grécia. Aslan caminhou cerca de 500 km e levou apenas o que mais importava para ele, que foi sua cadelinha filhote, Rose.



O jovem diz que teve dificuldades em atravessar o Mediterrâneo com o animalzinho, mas insistiu.
“Eles me disseram: ‘você não pode levar um cachorro’. Eu tenho comida e tenho água, eu tenho tudo”, dizia Aslan.





Ele a conduziu durante todo o percurso em uma bolsa de transporte para animais, levando apenas uma mochila, onde carrega seus poucos pertences junto com água e comida para sua companheira. 
Ele fez até um passaporte improvisado para a cadelinha. “Eu amo minha cachorra. Eu preciso dela“, disse o jovem.
Aslan e sua amável cadelinha chegaram à ilha grega Lesbos e encontram-se bem. 

Um vídeo dos dois foi partilhado pelo ACNUR, agência das Nações Unidas para os Refugiados.





As mais visitadas do mês