terça-feira, 15 de setembro de 2015

Hérois da realidade - Christopher Catrambone já gastou milhões para ajudar refugiados

Chris é um empresário americano bem sucedido que mora em Malta, na Itália, país de sua esposa Regina. Ele trabalhava nos últimos dez anos com uma empresa que fornece suporte de segurança em zonas de conflito, para militares, funcionários de ONGs, jornalistas, missionários, entre outros. Em 2013, ele estava em um iate de cruzeiro no Mediterrâneo, juntamente com sua esposa e a filha, quando avistaram um objeto no mar e ficaram sabendo que era uma jaqueta que provavelmente pertencia a um migrante.


Depois desse episódio e na sequência, um apelo do Papa Francisco a favor dos imigrantes, eles decidiram que iam fazer alguma coisa por conta própria para ajudar milhares de refugiados que se lançam ao mar, em embarcações sem segurança, fugindo dos conflitos dos seus países, em busca de encontrar uma vida melhor em outros lugares.

Durante o verão de 2014, a imigração ilegal de pessoas de países da África e do Oriente Médio para a Europa, tornou-se mais rigidamente controlada. Com isso, os migrantes começaram a fazer viagens muito mais arriscadas por barco, que levaram a muitos afogamentos.


Sensibilizado com essa triste realidade e com a experiência profissional que já tinha, ele decidiu comprar e restaurar um grande navio e também, equipamentos como drones, barcos infláveis e coletes salva-vidas para localizar migrantes que estejam precisando de ajuda em alto mar.


O Phoenix, como é chamado o navio, tem espaço para 400 pessoas a bordo e foi criado para ser o único navio dedicado apenas para resgates. Os trabalhos iniciaram em agosto de 2014, onde dirigiram-se para águas internacionais próximas da Líbia, onde os conflitos continuavam a se intensificar.

Naquele ano, principalmente durante o período de maior fluxo migratório, que vai de março a outubro, mais de 100 mil pessoas tentaram partir espremidas em embarcações superlotadas.


Durante os 60 dias que eles iniciaram as operações de resgate, Chris estima que o número de pessoas que foram transportadas com segurança para a Itália e Malta, foi cerca de 3 mil pessoas. Eles estariam muito propensos a morrer ou sofrer lesões graves se não tivessem sido resgatados.


E assim teve início a organização sem fins lucrativos chamada Migrant Offshore Aid Station (MOAS)


Durante os resgates, as crianças são socorridas primeiramente e passam por verificação médica e recebem comida e água.
Quanto mais os resgates continuaram e pelas histórias que ouviam, mais profunda a família e equipe encontraram-se ligados à missão.




Chris diz: "Estamos orgulhosos. Isso é importante para nós, temos investido nossas economias, porque acreditamos nisso."
Regina complementa: "Tudo o que temos feito juntos, tem sido bem sucedido. Estamos apenas sendo seres humanos, mantendo nossa dignidade. "


As mais visitadas do mês