domingo, 27 de dezembro de 2015

ANIMAL DA SEMANA - Tatu-canastra

Apesar de ser o maior tatu de sua espécie, é muito raro serem vistos na natureza, porque além de terem hábitos noturnos, permanecem grande parte do tempo abaixo do solo, o que dificulta sua visualização e estudo.



A principal característica dos tatus é a forma do corpo que lembra algumas espécies de dinossauros; e o tatu-canastra é o que melhor se encaixa nesse perfil, pois é muito grande, podendo pesar mais de 50 quilos e medir mais de 1 metro de comprimento. Tatus alimentam-se predominantemente de cupins e formigas. Os machos são maiores que as fêmeas.



É um animal que habita áreas da América do Sul e Central. É também conhecido como tatuaçu ou tatu gigante. No Brasil é típico do cerrado e da Mata Atlântica, em pequenas reservas de Minas Gerais, Espírito Santo, Mato Grosso e Bahia. 
Pesquisas realizadas no Pantanal com esse mamífero, foi constatado que eles tem um papel importante no ecossistema onde vivem. Suas alterações no ambiente têm influência em ao menos outras 24 espécies de vertebrados. 



Desde 2010 um grupo de pesquisadores liderados pelo francês Arnaud Desbiez, realizam um importante trabalho para melhor conhecermos o comportamento deste grande e discreto tatu. É o Projeto Tatu gigante. 
Entre as coisas que já foi descoberto sobre eles, uma delas é com relação aos filhotes. Os cientistas pensavam que eles só passavam seis semanas com a mãe, mas na verdade permanecem cerca de dez vezes mais esse período. 
O projeto também descobriu que a gestação dura cinco meses em vez de quatro e que tatus gigantes dão à luz apenas um jovem de cada vez, em vez de dois como normalmente acreditado por muito tempo. Estas descobertas tem enormes impactos sobre a conservação da espécie. 



O pesquisador disse que as horas de paciência, trabalho duro, e frustração do rastreamento dessa espécie, compensa sempre que ele recebe a rara oportunidade de assistir a um tatu gigante na natureza. 
"Ver um tatu gigante é uma experiência extraordinária, e continua a ser cada vez... Não importa quantas vezes... cada vez meu coração dispara, acho que é difícil de respirar e meu estômago faz cambalhotas ... é sempre uma experiência surreal. Você nunca se acostuma e se sente privilegiado por ser capaz de observar este magnífico animal. " 



Em uma entrevista de 2014 o pesquisador fala sobre algumas coisas interessantes sobre os tatus gigantes. 
"Quando eu vim pela primeira vez ao Pantanal, realmente esperava que iria começar a ver um tatu gigante. Eu já havia trabalhado com tatus na Bolívia e tenho amado tatus desde então. Para um dos projetos que eu estava coordenando tivemos de estimar as densidades de mamíferos, e andei mais de 2.000 quilômetros e só vi uma nova toca de tatu gigante com o animal provavelmente dentro, uma vez. Eu estava muito intrigado com esta espécie, por encontrar muito pouca informação sobre ela. Depois de trabalhar no campo por oito anos eu ainda nunca tinha visto um tatu gigante. Então, um dia, minha esposa voltou de uma expedição no campo depois de ter visto um em sua área de estudo. Eu não podia acreditar!" 



No Pantanal muito poucas pessoas já viram um tatu gigante. Por exemplo, o proprietário da fazenda que nasceu e foi criado na mesma, nunca tinha visto um tatu gigante antes do início do projeto. 
" ... Se você está na direção do vento é muito tranquilo e você pode realmente observá-los por um bom tempo. Tivemos várias pessoas que visitam o projeto e viram com êxito um tatu-canastra selvagem com a gente". 



O pesquisador continua: "Tatus gigantes passam a maior parte do tempo em suas tocas profundas, e só saem à noite. Estes animais solitários são, portanto, muito raramente vistos e é extremamente difícil de estudar uma espécie tão enigmática. O tatu-canastra é apenas uma entre muitas espécies na América do Sul sobre o qual sabíamos muito pouco. Eu culpo isso em uma total falta de financiamento para a investigação e conservação das espécies.
Há tantas espécies que precisam de atenção urgente e muito poucas pessoas capazes de dedicar suas vidas a eles devido à escassez de fundos". 

Nome em inglês: Giant armadillo 
Nome científico: Priodontes maximus

As mais visitadas do mês