terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

Conheça quais são os países menos corruptos do mundo em 2015, e em que posição o Brasil está colocado!

O ranking anual sobre a análise de corrupção no mundo é elaborado pela ONG Transparência Internacional (Transparency International), instituição referência mundial no assunto. 
A organização analisa o desempenho de 168 países e territórios, numa escala de 0 a 100 pontos. Quanto mais próximo de 100, menos corrupto é o país. A lista de 2015 foi divulgado no último dia 27 de janeiro. Confira!

10º
Alemanha, Luxemburgo e Reino Unido
Parlamento alemão
Todas as imagens são do Parlamento dos respectivos países. 
No Brasil, parlamento é o mesmo que Congresso, composto pela Câmara dos Deputados e pelo Senado Federal.

 Parlamento de Luxemburgo

Parlamento do Reino Unido - Palácio de Westminster 

Canadá

Singapura

Suíça

Noruega

Holanda

Nova Zelândia

Suécia

Finlândia

Dinamarca
A Dinamarca é o país menos corrupto do mundo, ficando em 1º lugar, com 91 pontos. 
Desde que o índice foi criado, em 1995, o país está nas primeiras posições. Nos últimos cinco anos, só não esteve no primeiro lugar em 2011, que ficou com a Nova Zelândia. Esse é o segundo ano consecutivo em que está sozinha no topo.

Os Estados Unidos e a Áustria ficaram na 16ª posição.
Nesse ano, o Brasil ficou na 76ª posição. O país divide a mesma colocação com mais seis nações: Índia, Tailândia, Bósnia e Herzegovina, Burkina Faso, Tunísia e Zâmbia.

Na América do Sul o Uruguai está em primeiro lugar como o país mais transparente, na 21ª posição. O país mais corrupto da América do Sul é a Venezuela, na 158ª posição.
E os mais corruptos do mundo são Coreia do Norte e Somália.

Segundo a organização: "Os países nas primeiras posições apresentam características comuns que são vitais: altos níveis de liberdade de imprensa; acesso a informação sobre orçamentos que permite à população saber de onde procede o dinheiro e como se gasta; altos níveis de integridade entre aqueles que ocupam cargos públicos. Por outro lado, os países nas últimas posições, além de conflitos e guerras, se destacam pela governabilidade deficiente, por instituições públicas frágeis, como a polícia e o Poder Judiciário, e pela falta de independência nos meios de comunicação".


As mais visitadas do mês