domingo, 8 de maio de 2016

Sir David Attenborough, o melhor documentarista da vida selvagem, completa hoje 90 anos

Talvez, através do nome, você não saiba quem é Sir David Attenborough, mas, certamente já assistiu algum documentário produzido por ele.
Ao longo de seis décadas o lendário apresentador britânico viajou para as partes mais remotas do mundo, produzindo documentários espetaculares sobre a vida selvagem. Com seu estilo despretensioso de apresentação, o naturalista encanta gerações de espectadores com seu incrível trabalho, nos proporcionando uma visão única do mundo. Ele ganhou a confiança de animais exóticos, grandes e pequenos, dos cantos mais selvagens da Terra.



Sir David nasceu em Londres, no dia 08 de maio de 1926. Formou-se em Cambridge em 1947 com uma licenciatura em Ciências Naturais antes de entrar na Marinha Real. Em 1952 entrou para a BBC. 



Casou-se com Jane Oriel em 1950 e tiveram dois filhos, Robert e Susan. Jane morreu em 1997.



Em 1954 ele lançou sua primeira série chamada Zoo Quest e desde então, tem encantado o mundo com seus documentários fantásticos.


A apresentadora britânica Michaela Strachan disse sobre ele:
"Todos nós fomos inspirados por ele... Ele é incrivelmente inteligente, não apenas sobre a vida selvagem, mas em muitos outros assuntos também. Não conheço ninguém que não gosta de David Attenborough. Eu sei que muitas pessoas não gostam de nós, mas todos o amam".



Em maio do ano passado ele sentou-se com o Presidente Barack Obama na Casa Branca para uma conversa franca sobre o estado do planeta. Obama, que disse que cresceu assistindo documentários do naturalista, queria conhecê-lo para falar sobre a mudança climática e sua ameaça para o ambiente.

Aqui estão algumas frases dele e imagens de sua brilhante carreira:



"Eu tive o grande privilégio de ser autorizado a viajar e descobrir a infinita variedade da vida em nosso planeta e compartilhar essas histórias com o público de todo o mundo."




"A única maneira de salvar um rinoceronte é salvar o ambiente em que vive, porque há uma dependência mútua entre ele e milhões de outras espécies de animais e plantas." 



"Acredito que se nós encontrarmos formas de gerar e armazenar energia a partir de recursos renováveis, faremos com que o problema com o petróleo, o carvão e outros combustíveis de carbono desapareçam".




"Eu acho que às vezes é preciso dar um passo para trás e, basta lembrar que não temos mais direito de estar aqui do que qualquer outro animal." 



"É nosso dever moral de proteger e preservar todas as formas de vida."



Umas das coisas que surpreende em seus documentários é que ele aborda um assunto e numa mesma sequência, pode aparecer, por exemplo, no Equador, na Gâmbia e em seguida na Europa, falando sobre o mesmo tema.
O momento da vida selvagem que ele mais gostaria de reviver é capturar a exibição de acasalamento da ave do paraíso na Nova Guiné, em 1957. Ele lembrou: "Eu tentei um monte de vezes para conseguir isso. Nós fomos as primeiras pessoas a filmá-lo em estado selvagem. Era madrugada. A luz veio e fez um par de gritos, vibrou suas penas e voou. Foi a melhor coisa do mundo."

A seguir, dois vídeos que mostram alguns momentos de seu trabalho:







As mais visitadas do mês